Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de um Intestino Irritável

Há quem diga que é o segundo cérebro do nosso corpo, há quem defenda que é o mais inteligente. Aqui ficam as crónicas de um intestino irritável com todas as suas peripécias e salamaleques.

Crónicas de um Intestino Irritável

Há quem diga que é o segundo cérebro do nosso corpo, há quem defenda que é o mais inteligente. Aqui ficam as crónicas de um intestino irritável com todas as suas peripécias e salamaleques.

Quando o intestino entra em pânico

panico_intestino.png

 Hoje estou aqui para vos falar de Pânico. Há tanto que vos quero contar e que nem sempre partilho por não saber nem como começar! A vida só faz sentido se for preenchida por coisas boas, alegres, positivas e que nos fazem vibrar. Contudo, a nossa condição de humanos e os desafios que nos são impostos e nos fazem crescer, são uma realidade. Desta forma, acho importante partilhar alguns dos meus desafios de vida e condição humana. Uma das várias vantagens desta rede global que é a Web é o facto de podermos estar ligados em partilha, de podermos estudar e trocar experiências - de chegarmos de forma incondicional aos outros. Há conforto e sentimento de companhia quando isso acontece. E isso é importante.

 

Comecei a ter ataques de pânico em 2003. Um dia, sai da faculdade - em Lisboa - e senti-me mal perto de uma paragem de autocarro. Muito mal. Consegui voltar à portaria da faculdade e pedir ajuda antes de desmaiar. Uma intoxicação alimentar começava a manifestar-se. Os porteiros ajudaram-me, deram-me água e ficaram comigo até conseguir voltar a erguer-me. Quando isso aconteceu, deram-me a escolher: ou chamavam uma ambulância e eu ia para o hospital, ou eu seguia viagem. Escolhi a segunda opção - tudo o que não queria era, no meu 1º ano de faculdade, dar nas vistas com uma ambulância a apitar para me ir buscar (e depois ter de enfrentar o hospital sozinha e por um tempo que podia prever-se longo). Sai da portaria e não me sentia nada bem - fui até ao interior da FCSH e deitei-me num banco. Adormeci. As minhas colegas ou possíveis conhecidos já tinham saído e tinha de me desenrascar sozinha. Estava com receio de me sentir mal no táxi. Contudo, era a opção mais viável para chegar a casa (felizmente tinha dinheiro para chamar um táxi) e assim foi. A viagem correu bem, fui à farmácia para ser medicada, passei mal uns dias e pronto. Passados 2 dias estava pronta para voltar às aulas e sai de casa. Fui até à paragem do autocarro, esperei, ele chegou, entrei. E foi aí que começou... comecei a sentir-me muito mal, com falta de ar, certa de que ia desmaiar ou vomitar ou tudo ao mesmo tempo. Sufocar. Sai na paragem a seguir e voltei para casa o mais rápido que consegui. Quando entrei no meu porto seguro, o mal-estar passou. Tentei várias vezes ir para a escola: mas nunca conseguia. As sensações foram-se rebuscando apoiadas pela imaginação. Agora, em acrescento ao que descrevi acima, "ficava" com uma infecção urinária super-sónica (chegava à velocidade da luz e sumia-se assim que entrava em casa). Comecei a estudar em casa, não contei nada a ninguém - até porque nem eu sabia bem o que raio era aquilo. Tinha a sorte de não ter faltas na minha faculdade e assim foi. A coisa complicou-se quando percebi que também não conseguia sair à noite, ir ao cinema, entre outras coisas. Actividades com outras pessoas - mesmo que amigas - era complicado: não queria que me vissem a surtar e fugir desvairada por conta da minha imaginação. Sozinha, como podia fugir, conseguia. 

 

Se a mente engana o nosso emocional, nós podemos também enganar a mente. Consegui começar a arranjar truques. Não era perfeito, mas já ajudava. Percebi que, se o sítio onde fosse tivesse um WC onde me pudesse barricar, ter a minha "psicose", acalmar-me e sair quando bem entendesse - eu conseguia lá estar. O WC deveria, de preferência, ter várias cabines para não sentir pressão de que tinha de sair dali rapidamente. Isto foi como começou...

 

Os ataques de pânico, baseados na minha experiência pessoal (nunca estudei o assunto) vão e vêm por fases. Também se refinaram e a minha imaginação fértil aproveitou o assunto para os deixar mais criativos na sua expressão: têm vários temas e circunstâncias. Começaram apenas com sensações físicas, mas a imaginação depressa entra em cena e - se deixarmos - alimenta cenários de medo e insegurança: quase sempre trágicos. Depois de experienciares alguns ataques de pânico, começa algo que nos consome: o medo do medo. Já não tens só medo do pânico, tens medo de ter medo e, consequentemente, tens realmente muito medo e grandes níveis de ansiedade.

 

Depois de muito reflectir sobre isto, penso que os meus ataques de pânico estão relacionados com o medo da dor e da insegurança; a descoberta de que sou humana e, portanto, falível e frágil; e, claro, a percepção do risco que é a vida e da morte. Isto porque o quadro que eu pintava de todas as premissas acima, era inaceitável e terrível.

 

Uma vez li, num livro de Augusto Cury, o seguinte:

o ser humano acede à sua memória através de janelas específicas e o seu maior desafio é abrir o máximo de janelas saudáveis, ou light, para dar respostas inteligentes. Os ataques de pânico são registados pelo cérebro de forma traumática, criando janelas killer. Estas janelas bloqueiam o processo de leitura de milhares de outras janelas saudáveis contraindo, assim, a sua racionalidade. Preso numa janela killer, tornamo-nos irracionais. Desta forma, encarceramos a nossa capacidade de escolha e realimentamos as crises de pânico. Freud acreditava que o trauma original era o grande problema, mas, na realidade, é a retroalimentação que nos adoece. Estas janelas killer são traumas marcantes produzidas por estímulos profundamente stressantes como a traição, as perdas ou a humilhação pública.

 

2 comentários

Comentar post